Doe presentes

doacao_graacc

Como minha cara de pau não é de hoje, vou praticamente ignorar o fato de que não apareço por aqui há quase um ano. O motivo do post é bacana e vocês vão me perdoar. rs Este ano, inspirada por alguns amigos, resolvi trocar meus presentes de aniversário por doações.

A ideia era deixar uma caixinha disponível na minha festa, porém, ela acabou não acontecendo e os amigos contribuíram diretamente na minha conta. Consegui arrecadar R$ 550, mas acredito que, numa festa cheia e com boa divulgação prévia, dê para reunir mais. De qualquer forma, um pouquinho de um montão de gente faz diferença, né?

Escolhi o GRAACC para ser a instituição beneficiada, pois acredito muito no trabalho deles. Acompanhei de perto por motivos familiares e o serviço é mesmo de excelência.

Agradeço de coração a todos os amigos que contribuíram e deixo aqui minha sugestão. Aposto que você tem alguma causa em que acredita e nem sempre pode colaborar como gostaria. 😉

Para colaborar com o GRAACC:

Doações em geral
Doação de medula óssea
Corrida e Caminhada GRAACC (10/mai/15)

Anúncios

Família vende tudo

jrecarol
Faz um século que não apareço por aqui. Tanto que nem as fotos do último bazar publiquei – shame, shame, shame! Mas, como não adianta ficar lamentando o que ficou para trás, reativo o blog no melhor estilo “garage sale”.

Um casal de amigos queridos está de mudança para a Finlândia e está se desfazendo de tudo. Tudo mesmo! Mesmo eu, que estou numa fase de contenção de gastos, acabei arrematando uma parcela de coisas: computador, faqueiro, jogo de jantar, material de desenho etc.

Ainda tem muita coisa, de playground para gatos a bicicleta de colecionador, passando por taças de champanhe, baldes e sofás. Vale dar uma olhada! E rápido. Sabem como voam as notícias em tempos de internet.

LISTA: Família vende tudo (maio/14)

(Fotos: reprodução da lista de divulgação)

Da série de boas ideias

ocean_sole

Nunca tinha pensado em chinelos como um caso de poluição dos mares, mas, infelizmente, eles podem ser. Para tentar reverter a situação, uma ONG no Quênia tem utilizado os calçados recolhidos como matéria-prima para artesanato. Atualmente, cerca de 100 artesãos transformam a borracha colorida em brinquedos e objetos de decoração.

Segundo o site da Ocean Sole,  já foram retiradas mais de 400 toneladas de lixo do oceano. A ideia é tão boa, que até me fez criar vergonha e postar algo no Lavô tá novo! Missed you.

(Via Hypeness. Fotos reproduzidas do mesmo site)

VIII Bazar Lavô tá novo! – by Rô e Natália

Com essa história de Facebook e seus eventos, acabei só escrevendo esse post aos 45 minutos do 2º tempo. Nesse próximo domingo (depois de amanhã!), vai acontecer mais uma edição do Lavô tá Novo, desta vez, promovida pelas anfitriãs Roberta e Natália – e pelo Virgílio, que é, literalmente, um gato.

O bazar é um encontro de amigas (e amigas das amigas) para comprar, vender ou doar coisas que não usa, não gosta, não servem mais. Por motivos de segurança e limitação do espaço, o endereço completo só está disponível no FB ou por e-mail. Amigas, me escrevam!

Não é preciso ter algo para vender para aparecer, ok?

convite_bazarVIII
COMO FUNCIONA:

  • Levar roupas, sapatos, acessórios, bijus, perfumes, maquiagem, livros, CDs, objetos de decoração etcLavar/limpar as peças valorizam o material.
  • Cada um deve colocar o preço que considerar justo em cada item. Quem coloca preços mais camaradas vende mais.
  • As etiquetas são fundamentais para o processo fluir. Coloque as iniciais N, SN ou U (para indicar se é novo, seminovo ou usado) + o preço ou a palavra “doação” + o nome da dona (para facilitar trocas e pagamentos). Exemplos: N / R$ 12 / Paula ou U / doação / Paula.
  • Para objetos, as melhores etiquetas são as adesivas. Já para as roupas, é bom fazer algo em papel/cartolina, amarrado com um barbante/fita.
  • Quem chega mais cedo tem mais chance de comprar as melhores peças. Trazer as coisas etiquetadas também ajuda você a não perder tempo para olhar o que está sendo oferecido.
  • Levar dinheiro trocado! Durante a transação, muita coisa acaba sendo troca, mas também é preciso levar dinheiro em notas pequenas e moedas, pois ajuda no troco (algumas compras acabam não rolando por falta dele).

(Arte by Rô)

Bazarzim para a criançada

Hoje descobri uma iniciativa estilo Bazar Lavô tá Novo! para crianças. É que o Instituto Alana está promovendofeiras de troca de brinquedos no próximo dia 6 de outubro. A ideia é fazer com que as crianças (e os pais) repensem um pouco o consumo nessa época comercial que é o Dia das Crianças.

Para quem se animar a organizar uma, a ONG dá todo o apoio disponibilizando um guia de realização de eventos, além de material gráfico a ser impresso, com convites e folders. Bem bonitinho aliás. Os arquivos podem ser baixados aqui.

Mais de 40 eventos já estão previstos por todo o país! Saiba mais: http://feiradetrocas.alana.org.br/

(Img: reprodução do site da feira)

VII Bazar Lavô tá novo! – By Cris & Isa

E não é que o bazar estará de volta provavelmente no menor intervalo de tempo desde sempre? No próximo sábado, minhas amigas Cristiane e Isabele abrirão as portas para uma nova edição: a sétima. Legal, né? Os detalhes estão no próprio convite (lindo) que elas prepararam e outros podem ser conferidos aqui no blog, assim como as fotos dos bazares anteriores.

Como sempre, o convite é VIP – para amigas e amigas das amigas – e quem quiser pode me pedir o endereço, que mando por e-mail.

Obs1: Atendendo a pedidos, ainda esse ano pretendo fazer uma edição “unissex”. Aguardem!

Obs2: A Isa já tinha sido responsável pela terceira edição, que foi um sucesso (e teve as comidinhas mais gostosas rs).

Circulando

Sabe aqueles dias em que a gente se promete “Vou comprar um pacote com seis meias e  jogar seis velhas fora!”? Foi um pouco assim que me senti depois do último bazar aqui em casa. Não vendi nadinha justamente na vez em que mais comprei coisas, o que me levou a pensar que precisava fazer algo para compensar.

Já tinha dado uma esvaziada no guardarroupa e encaminhado alguns itens para doação, mas decidi que iria presentear 11 pessoas com coisas bacanas que eu tinha em casa e não fazia o uso merecido. Onze foi justamente o número das minhas compras no bazar. Não, não tenho nenhuma explicação mística ou freudiana para esse ímpeto, só sei que me fez bem e, de quebra, alguns amigos receberam um agradinho.